30
Out 16

BALADA DO REDONDO

Tudo o que à noite é mais claro

é escuro durante o dia

portais em que nem reparo

postigos de talhe raro

e o segredo o desamparo

a que se chama poesia.

 

E quando à noite me deito

apago a luz para ver

sobre a água do meu peito

afilado rosto estreito

rendas de lençol no leito

e o teu corpo de mulher.

 

E assim habito contigo

à luz da luz apagada

e sem palavras te digo

juras de amor inimigo

carícias a que não ligo

suspiros de namorada.

 

Árvores que o dia consome

casinhas de telha vã

ó ruas que a sombra come

ninguém conhece o meu nome

ninguém mata a minha fome

e logo à noite é manhã.

 

António Lobo Antunes,

Letrinhas de Cantigas (2002)

publicado por RAA às 02:49 | comentar | favorito
16
Out 16

LITANIA

O teu rosto inclinado pelo vento;

a feroz brancura dos teus dentes;

as mãos, de certo modo, irresponsáveis,

e contudo sombrias, e contudo transparentes;

 

o triunfo cruel das tuas pernas,

colunas em repouso se anoitece;

o peito raso, claro, feito água;

a boca sossegada onde apetece

 

navegar ou cantar, simplesmente ser

a cor dum fruto, o peso duma flor;

as palavras mordendo a solidão,

atravessadas de alegria e de terror;

 

são a grande razão, a única razão.

Eugénio de Andrade, Doze Poemas

 

publicado por RAA às 17:53 | comentar | favorito
14
Out 16

AURORA

O poeta ia bêbedo no bonde.

O dia nascia atrás dos quintais.

As pensões alegres dormiam tristíssimas.

As casas também iam bêbedas.

 

Tudo era irreparável.

Ninguém sabia que o mundo ia acabar

(apenas uma criança percebeu mas ficou calada),

que o mundo ia acabar às 7 e 45.

Últimos pensamentos! Últimos telegramas!

José, que colocava pronomes,

Helena, que amava os homens,

Sebastião, que se arruinava,

Artur, que não dizia nada,

embarcam para a eternidade.

 

O poeta está bêbedo,

mas escuta um apelo na aurora:

Vamos todos dançar

entre o bonde e a árvore?

 

Entre o bonde e a árvore

dançai, meus irmãos!

Embora sem música

dançai, meus irmãos!

Os filhos estão nascendo.

Com tamanha espontaneidade.

Como é maravilhoso o amor

(o amor e outros produtos).

Dançai, meus irmãos!

A morte virá depois

como um sacramento.

 

Carlos Drummond de Andrade, Brejo das Almas

publicado por RAA às 21:46 | comentar | favorito
09
Out 16

IN MEMORIAM

(F.G.L.)

 

Noite aberta.

A lua

tropeça nos juncos.

Que procura a lua?

 raiz do sangue?

Um rio onde durma?

A voz delirando

no olival, exangue?

Sonâmbulo,

que procura a lua?

O rosto de cal

que no rio flutua?

 

Eugénio de Andrade, Primeiros Poemas

publicado por RAA às 21:35 | comentar | favorito
04
Out 16

...

«[...] nada mais ambíguo, nada mais fugidio, nada mais delicado, nada mais subjectivo, nada mais rebelde à análise que uma mundividência poética.»

 

Manuel Antunes, «Mundividências da poesia portuguesa desde o romantismo aos anos 60» (1973)

publicado por RAA às 21:59 | comentar | favorito
03
Out 16

"Eis que o rodar do tempo me fez velha"

Eis que o rodar do tempo me fez velha

E setenta e nove anos vão passados.

Frágil teia de aranha que hoje sou

Que mais dons esperarei que me sejam dados?

E aqui vou indo pela vida fora

Me arrastando feita uma criança,

Aprendendo a andar com o bordão,

Cativo agrilhoado, já sem esperança.

 

Maryam al-Ansari, (sécs. X-XI)

in Adalberto Alves,, O Meu Coração É Árabe -- A Poesia Luso-Árabe

publicado por RAA às 13:51 | comentar | favorito (1)
25
Set 16

APÓSTROFO

Assim longos o dia fraccionavam pelas casas do Xadrez dois jogadores. Era pela tarde, quando o Sol oblíquo e fulvo se opõe já ao ponto primeiro do seu arco. Altas heras p'lo pátio desenhavam de sombra e luz cavalos diminutos -- e tão assim era, tão assim, tão, que logo as palavras saqueadas no salto morriam dos Cavalos. A caminho de Agosto abelhas raras doçura buscavam nos peões -- sílabas inseridas em minutos, outro era, porém, ali, o néctar; ora o Rei uma casa aventurando, ora o diagonal perfil dos Bispos, ora as Torres tomando posições, ora a branca Dama o véu do gesto de quem pela mão a deslocava ao longo do tabuleiro desdobrando... Assim tudo era -- e 'té a métrica no lapso das sombras e da luz um apóstrofo ao ritmo breve dava para que uma letra só não ferisse o medido gesto de quem longo ao longo das casas o finito no silêncio inseria do infinito. Ao longo do tabuleiro os jogadores assim pelas heras desenhados, como quem subtil desdobra rédeas e o instante sopesa do equilíbrio, apóstrofos colocavam nos Cavalos -- e a tarde, assim sustida, era e não era o galope disparado que habita o passo do dia demorado.

 

Pedro Alvim, Os Jogadores de Xadrez (1986)

publicado por RAA às 14:48 | comentar | favorito
22
Set 16

TARDE

Vago sabor de outono

E de coisas extintas.

Nem desejos nem dor...

Meu coração esquece.

 

No ar parado voga

Talvez uma saudade

De tudo que perdi,

De tudo que não fui.

 

Ninguém chama por mim

Nem chamo por ninguém.

Instante calmo e triste...

Como a vida está longe!

 

No dia húmido cai

Um silêncio dormente.

Uma música ausente

Meu coração embala.

 

Luís Amaro

As Folhas de Poesia Távola Redonda

(edição: António Manuel Couto Viana)

 

publicado por RAA às 19:37 | comentar | favorito (1)
20
Set 16

SÉTIMO POEMA DO PESCADOR

Como estrela cadente

como pedra rolando

na corrente

como lua caindo por detrás das dunas

como revérbero nas águas como reflexo

como um foco na noite

como um cigarro uma lanterna um astro

como escamas luzindo no canal

como o resto de um rasto

como um sinal: mada mais do que um sinal

uma luz a acender e a apagar.

Ou eu

a pescar.

 

Lisboa, 26.12.96

 

Manuel Alegre, Senhora das Tempestades (1998)

publicado por RAA às 19:39 | comentar | favorito
19
Set 16

DETERMINISMO

Verão --

outra vez eclodimos

cegos e simultâneos.

 

Soledade Santos, Sob os Teus Pés a Terra (20150

publicado por RAA às 18:19 | comentar | favorito