HOMER CLAPP

Muitas vezes Aner Clete no portão
me recusou um beijo de adeus,
dizendo que tínhamos primeiro de estar noivos,
e só com um distante apertar-me da mão
me dava as boas-noites, quando eu a trazia a casa
do ringue de patinagem ou da igreja.
Mal tinha o ruído dos meus passos sumido na distância
e Lucius Atherton
(o que eu soube quando Aner se foi para Peoria)
lhe entrava pela janela ou a levava
no carro puxado pela parelha baia
a passear no campo.
O desgosto levou-me a tratar da vida
e pus todo o dinheiro da herança de meu pai
na fábrica de latas, para conseguir
ser chefe da contabilidade, e perdi tudo.
Foi quando entendi que eu era um dos bobos da Vida,
a quem só a morte trataria como igual
aos outros homens, fazendo que eu me sentisse um homem.

Edgar Lee Masters 

(Jorge de Sena)
publicado por RAA às 16:56 | comentar | favorito