NOCTURNO

É tão

estranha a paz

que não ter paz me traz (ouvir outrora

os Nocturnos a uma hora

como esta tão longe de tudo vendo embora

as luzes que se acendem nas

janelas em frente

bastaria

para que a nuvem da melancolia

sobre mim derramasse

a água sufocada)

como se, para sossegar, a vida

precisasse

de se sentir perdida.

 

Gastão Cruz

publicado por RAA às 23:53 | comentar | favorito