A UMA CABRINHA VISTA EM BISSAU

Se estivesse aqui Matilde

eu dava-lhe esta cabrinha,

com o seu focinho humilde

e a altivez duma rainha.

 

Cabrinha de jeito bom

a fugir pelo telhado,

caladinha no seu tom

de sobrolho carregado.

 

Cabrinha como tu, filha,

estrela oculta nestes versos,

que perdura e que cintila

sobre céus e ares diversos.

 

Luís Filipe Castro Mendes

publicado por RAA às 18:52 | comentar | favorito