NA GÁVEA

Enquanto o vento

sopra contra a flor caduca

da pedra, um som mais belo que o som das

fontes nos seduz a invocar do cubo de treva

nosso de cada noite que nos dê -- não outro dia,

chuva nos cabelos, lampejos do sublime entre pilotis

de azul e abril, mas apenas a vertigem do ato,

o vermelho do rapto, a chegada ao fundo

mais ardente, onde tornar a reunir

cada fragmento nosso, perdido,

de dor e de delicadeza.

 

Carlito Azevedo

publicado por RAA às 14:31 | comentar | favorito