TUDO

Um poema

quase sem palavras

Um esquema

de indefenidos traços

O ecoar de um som

talvez nunca vibrado.

 

Um retrato

feito com o nada disto,

com tudo isto.

 

Saul Dias

publicado por RAA às 16:55 | comentar | favorito