QUATRO

(Em memória do grande Amigo

Joaquim Manuel Maia de Jesus)

 

A rosa vermelha última a que te prendeste

A rosa vermelha nas mãos duma menina

Aquela maçã que tu deste e não comeste

E nestes quatro versos está a tua sina

 

Partiu-se a lua num quarto desesperado

E entrou louca pelo quatro vidros do hospital

Quatro homens levaram teu corpo gelado

E a menina escondeu duas mãos no avental

 

Ali na encruzilhada de todos os ventos

Tristes contando às ondas tão triste nova

Braços de pinheiros bravos foram lamentos

À rosa dos ventos lendo a verdade toda

 

Só aquela cadela que corria ao luar

Anda a uivar pelos caminhos a tua morte

São quatro patas pelo chão a caminhar

Arrastando a raiva humana da tua sorte.

 

Matilde Rosa Araújo,

As Folhas de Poesia Távola Redonda

(edição de António Manuel Couto Viana, 1988)

publicado por RAA às 19:27 | comentar | favorito