...

«[...] nada mais ambíguo, nada mais fugidio, nada mais delicado, nada mais subjectivo, nada mais rebelde à análise que uma mundividência poética.»

 

Manuel Antunes, «Mundividências da poesia portuguesa desde o romantismo aos anos 60» (1973)

publicado por RAA às 21:59 | comentar | favorito