AMIZADE

De mais ninguém, senão de ti, preciso:

Do teu sereno olhar, do teu sorriso,

Da tua mão pousada no meu ombro.

Ouvir-te murmurar: -- «Espera e confia!»

E sentir converter-se em harmonia,

O que era, dantes, confusão e assombro.

 

Carlos Queirós,

Desaparecido (1935)

publicado por RAA às 13:36 | comentar | favorito