ISMAELITAS

Quando penso nesse instante,

penso em corredores, veredas

e pátios iluminados

pelo luar,

algures conduzindo à

mansão de Fairfax. Ahab

partira enfim. O órfão

vogava sob o olhar atento

de Rachel.

 

O neófito subiu a escada

de mármore em silêncio,

como quem receia despertar

o louco, retirá-lo à

região das trevas e das

sombras funéreas, e

chamá-lo ao mundo dos vivos

para que prossiga a

eterna demanda. Ela

 

esperava-o no quarto

ao fundo, olhando o bosque

através da janela aberta.

Aproximou-.se, tocou-lhe os cabelos,

sentou-se na cama a

seu lado. Uma hora depois

ambos observam o bosque

iluminado

pelo luar.

 

Dois gatos negros abanam

lentamente a ponta do rabo.

E somente eu escapei

para vos contar.

 

Call me Ishmael.

 

Mário Avelar, Ciades de Refúgio (1991)

publicado por RAA às 00:31 | comentar | favorito