"Na mesma estrada de sempre"

Na mesma estrada de sempre

o mesmo velho de sempre

dava corda ao realejo

que toca sem fazer som

 

tem as mãos da cor da terra

tem os pés presos à terra

vai tocando o realejo

sem se importar com o som

 

quando parti já lá estava

já era um velho que estava

a tocar o realejo

que rodava sem ter som

 

certamente tocou muito

certamente sabe muito

porque toca um realejo

que não precisa de som

 

só os cães ainda ouvem

só rosnam enquanto ouvem

o eterno realejo

que faz música sem som

 

se o velho um dia morresse

se esquecesse ou se morresse

no silêncio o realejo

pararia sem um som

 

Helder Macedo, Viagem de Inverno

publicado por RAA às 23:08 | comentar | favorito