NO TÚMULO DE UM ASTRÓNOMO

Amei demasiado as estrelas
do céu nu que percorri a dedo,
para que a noite, onde brilham, belas,
em mim seja surto de algum medo.

Eugénio Lisboa
publicado por RAA às 23:39 | comentar | favorito