...

Deixem-me entrar no poema.
Lâmpada de segunda natureza para olhar
os mortos.
Os mortos bem amados
que a terra devorou e o outono expele
em chuvas ácidas.
Deixem-me entrar no poema.
Os meus pulmões já sabem respirar
a música de deus no ar
da peste.

Armando Silva Carvalho
publicado por RAA às 19:59 | comentar | favorito