NEBULOSA

Certo passado audaz, revivo
apenas, sob um céu menos escuro:
se eu vivo para o futuro
quer dizer que já o vivo.

Futuro!
Quando te posso ver, por ti plena aurora,
condena-te a presença,
és este agora
que eu possuo
como a abelha suga a rosa;
e sem que o resto me importe...

Mas antes ou depois ver-te ou pensar-te
é ver uma nebulosa...
-- é como pensar na morte...

Edmundo de Bettencourt
publicado por RAA às 18:53 | comentar | favorito