CÉU DE SAUDADES

No céu unido dos dias como o de hoje
Que há neles que se afasta e foge?
Que é este cinzento das lousas do meu Douro
Que só encontro nas asas dos pombos bravos
Que distância me acena como leve mão de afagos
Daquela Mãe para quem eu era o seu menino de ouro.


Joaquim Gomes Mota
publicado por RAA às 01:22 | comentar | favorito