SENTIMENTO

para António Barahona da Fonseca

A noite transfigurou-se em penas d'ave
e a miudinha chuva sacudiu-as
e a noite recolheu-se aos astros, suave,
e adormeceu as almas esquecidas.
O grande pequeno homem admirou-se,
olhou para si e viu-se vazio.
Chorou então o tempo perdido
e perdeu-se na noite, frio e quente.

7.XII.76

Ruy Cinatti
publicado por RAA às 23:31 | comentar | favorito