...

Eles lá vão, dando à noite brasa,
Das vestes do sono despojados.

Com húmidas penas e penugem de asa
Corvos da treva os têm abrigados.

Do nocturno ventre ao dorso do dia
Ascendem possuídos de tenaz alento.

Que têm para o medo e para a noite fria?
Couraças de treva, garanhões de vento.

Se perdidos fossem na noite cerrada
O fulgor de 'Umar mostraria a estrada.

Ibn 'Abdun

(Adalberto Alves)
publicado por RAA às 23:47 | comentar | favorito