22
Dez 10

TÍLIAS

Recolheu os manuscritos.
Contou as tílias, a promessa
das cores. Emudeceu.
Nada alterou a sombra amável
nem a dignidade do olhar.
O ramo da escrita: luz surda
respiração
puro tacto.
Louvor mudo.

Fernando Jorge Fabião
publicado por RAA às 22:13 | comentar | favorito

A POTRANCA

Era uma vez uma potranca branca
e alazã, flor quadrúpede e equina.
Era uma vez uma potranca pampa.
Fazia voar nos cascos a campina.

De mulher tinha o cheiro das axilas,
e a cor da vulva no vigor das ancas.
A energia brotava das narinas,
do suor, dos pêlos da potranca pampa.

Era uma vez a filha do Centauro,
quase aérea, suspensa pelas crinas,
a nostalgia do primeiro páreo.

Dor de vê-la cair na pista intacta,
morta e atenta à partida sobre os quatro
galopes paralíticos nas patas.

Mauro Mota
publicado por RAA às 18:06 | comentar | favorito

...

Porque pálido e triste, meu rapaz?
     Dize: porque tão pálido?
Ou, quando um ar jocundo não lhe apraz,
     um ar triste -- é mais cálido?...
     Dize: porque tão pálido?

Porque silente e mudo, pobre jovem?
     Dize: porque silente?
Ou, quando meigas falas a não movem,
     ser mudo -- é eloquente?...
     Dize: porque silente?

Vamos, vamos!... Juízo! O teu penar
     que pode ter, que enleve?
Se por si mesma te não quer amar,
     mais fria do que a neve...
     -- o demónio que a leve!

John Suckling


(Luís Cardim)
publicado por RAA às 17:21 | comentar | favorito

...

Vem daí, deixa lá esse torpor,
Que o que agora conta e tem valor
É a amada, linda como a lua,
E teres sempre cheia a taça tua!
Não te embarace tanto nevoeiro
Que sobre jardim e vinho vai pairando.
Estares presente é o dever primeiro
E logo o jardim se irá mostrando.

Ibn Bassam

(Adalberto Alves)
publicado por RAA às 15:17 | comentar | favorito

...

Amo e odeio. Como? Perguntais por certo.
Não sei, mas sei que sinto e sei que sofro assim.

Gaio Valério Catulo

(Jorge de Sena)
publicado por RAA às 14:30 | comentar | favorito

...

Só a vida dos que nos são queridos justifica a nossa submissão voluntária.
publicado por RAA às 11:48 | comentar | ver comentários (2) | favorito
22
Dez 10

ARTE POÉTICA

A poesia do abstracto...
Talvez.
Mas um pouco de calor,
A exaltação de cada momento
É melhor.
Quando sopra o vento
Há um corpo na lufada;
Quando o fogo alteou
A primeira fogueira,
Apagando-se fica alguma coisa queimada.
É melhor...
Uma ideia
Só como sangue de problema;
No mais, não,
Não me interessa.
Uma ideia
Vale como promessa
E prometer é arquear
A grande flecha.
O flanco das coisas só sangrando me comove,
E uma pergunta é dolorida
Quando abre brecha.
Abstracto!
O abstracto é sempre redução,
Secura;
Perde --
E diante de mim o mar que se levanta é verde:
Molha e amplia...
Por isso, não:
Nem o abstracto nem o concreto
São propriamente poesia.
A poesia é outra coisa.
Poesia e abstracto, não.

Vitorino Nemésio
publicado por RAA às 11:26 | comentar | favorito