14
Fev 11

À UNE PASSANTE

La rue assourdissante autour de moi hurlait.
Longue, mince, en grand deuil, douleur majestueuse,
Une femme passa, d'une main fastueuse
Soulevant, balançant le feston et l'ourlet;

Agile et noble, avec sa jambe de statue.
Moi, je buvais, crispé comme un extravagant,
Dans son oeil, ciel livide où germe l'ouragan,
La douceur qui fascine et le plaisir qui tue.

Un éclair... puis la nuit! -- Fugitive beauté
Dont le regard m'a fait soudainement renaître,
Ne te verrai-je plus que dans l'éternité?

Ailleurs, bien loin d'ici! trop tard! jamais peut-être!
Car j'ignore où tu fuis, tu ne sais où je vais,
Ô toi que j'eusse aimée, ô toi qui le savais!

Baudelaire
publicado por RAA às 15:28 | comentar | ver comentários (2) | favorito

CAIS

Nunca parti deste cais
e tenho o mundo na mão!
Para mim nunca é de mais
responder sim
cinquenta vezes a cada não.

Por cada barco que me negou
cinquenta partem por mim
Mundo pequeno para quem ficou...

Mundo pequeno para quem ficou...

Manuel Lopes
publicado por RAA às 12:36 | comentar | ver comentários (2) | favorito
14
Fev 11

PRESENTES DE ANIVERSÁRIO DO ANO DE 64

uma corda para enforcar-me
caso fosse necessário
em dia de desespero
em dia de aniversário

um peixe morto com a seguinte dedicatória:
«para tua inspiração da tua Frederica» --
o peixe era de prata

a miniatura do meu tamanho
com os cálculos do espaço que ocupo
todos meus sentimentos de culpa
e um rol de pecados inomináveis

as obras completas de Freud
o mapa da ilha do tesouro
um deus embrulhado em celofane
e um escafandro
e uma bússola

(Jheronimus Bosch
deitado sobre o travesseiro
com um sorriso tristonho
foi a maior surpresa)
e num envelope lacrado o dia da minha morte
com um selo de riso solto sem rosto
(posto que era apenas um sorriso triste)

Pedro Garcia
publicado por RAA às 11:13 | comentar | favorito
13
Fev 11

CALÇADA DOS MESTRES

Três velhas e eu,
na última taberna de Campolide.
Falavam de ir "levantar" os maridos,
o que deles resta.
Mas não estão "capazes":
dois anos debaixo da terra
nem sempre é o bastante.
"O meu João era mais forte do que
o teu" -- trabalho de vermes,
apenas. Também "por esta altura
morreu o Joaquim Sapateiro",
recordam. Como se já só
da morte vivessem
(o que não foge demasiado
à verdade geral:
alimentos em preparação -- ou cinzas).

Há quem tenha estado
dez anos debaixo da terra,
antes de poder ser "levantado"
-- e há quem nunca tenha estado vivo,
acrescenta o autor destes versos,
condensando a tarde numa garrafa vazia.

Estão a perceber agora
por que é que eu gosto tanto
de tabernas?
(Não respondam; o poema termina aqui,
porque a Dona Joana tem de ir ao oculista.)

Manuel de Freitas 
publicado por RAA às 23:49 | comentar | ver comentários (3) | favorito
13
Fev 11

SANTO ANTÓNIO DOS CAVALEIROS

Um pequeno cais sem pedra nem saudade
Acaba num jardim de barcos a fingir
Num horizonte de fumo e de castanhas
Entre anúncios, collants e supermercados

(Não vinha ninguém nesta camioneta)
Minutos pesados se passaram entretanto
O néon dos anúncios do prédio em frente
Acorda-nos dum sonho já pouco perfeito

Outras camionetas vão encher o largo
Alguns indianos, chineses sem palavras
Misturam-se com moçambicanos perdidos
No metro que os engole tão pontualmente

E passam por nós casais quase exemplares
Cada um com um filho que dorme ao colo
E cada filho com o sono mais pesado
(Sem outra mão para os sacos de plástico)

Jornais velhos com notícias já perdidas
Chegam devagar aos pés de quem espera
O frio e o vento não perdoam no cais
E (sabemos) não é ainda esta a camioneta

José do Carmo Francisco
publicado por RAA às 13:47 | comentar | favorito
11
Fev 11

Poemas Póstumos

autor: António Gedeão (pseudónimo de Rómulo de Carvalho, Lisboa, 1906-1997)
título: Poemas Póstumos
edição: 5.ª
local: Lisboa
colecção: «Colecção Poética» #1
editora: Edições João Sá da Costa
ano: 2000
págs.: 103
dimensões: 20,6x12,7x0,5 cm. (brochado)
impressão: Tipografia Guerra, Viseu
publicado por RAA às 23:15 | comentar | ver comentários (4) | favorito

SERRANILHA

A serra é alta, fria e nevosa;
vi venir serrana, gentil, graciosa.
Vi venir serrana gentil graciosa
cheguei-me per'ela con gran cortezia.
Cheguei-me per'ela com gran cortezia,
disse-lhe: «Senhora, quereis companhia?»
Disse-me: «Escudeiro segui vossa via.»

Gil Vicente
publicado por RAA às 16:48 | comentar | favorito

SONETO

Quem te sonhara plasma de água e canto,
Límpida e nua, rosa de cristal,
Substância de silêncio concentrado
Egressa de meu sonho para o azul.

Quem te cantara acima de meu sonho,
-- Quedo este amor -- só puro pensamento
E corpo nu, beleza fabulosa
Que a morte apenas torna perdurável.

Não mais meu canto, que hoje serenado,
Pastor de sombras, te transmuta em símbolos,
Alheio ao tempo, junto a um velho rio.

Não mais o sonho, agora solitário;
Amor não mais, que, a vida alimentando,
Flui subterrâneo, em mito transformado.

Darcy Damasceno
publicado por RAA às 14:17 | comentar | favorito
11
Fev 11

STANZAS FOR MUSIC

Muita mulher tem beleza,
nenhuma a tua magia;
e a tua voz tal riqueza,
que nem a da melodia
por sobre as águas do mar:
quando, num encantamento,
sonhando adormece o vento
e a onda pára um momento
e desfalece, a brilhar...

E a lua no céu fiando
a sua teia, a sorrir;
e o mar brandamente arfando
qual criancinha a dormir:
assim, dentro da minha alma,
eu me inclino, ao encontrar-te,
me suspendo, a escutar-te,
me curvo, para adorar-te:
com funda emoção, mas calma.

George Gordon Byron

(Luís Cardim)
publicado por RAA às 10:54 | comentar | favorito
10
Fev 11
10
Fev 11

...

É dever sacro do fogo alastrar
Alar aos astros    falar
Em múltiplas línguas a origem
E sua própria consumação.

Ao homem é dever do fogo
Levá-lo rubro aos metais
Moldar-lhe a mão rupestre
Até à mais branda penugem.

São do fogo e do homem conquistas
Os planaltos    sinais no deserto
E salvação no mar.

José Carlos González
publicado por RAA às 23:57 | comentar | favorito