11
Jun 11

EN BATEAU

Um violino geme
Em um barco singrando
No meu sonho tão brando
Como a curva do leme.

Prolonga-lhe a derrota,
De leve espuma um rastro;
E no topo do mastro
Leva uma gaivota...

Mas p'lo fio de espuma
Onde a noite se enreda,
Em um bicho de seda
No meu sonho se esfuma.

E eu acordo pensando
Em como se parece
Minha vida com esse
Leve barco singrando.

Carlos Queirós
publicado por RAA às 15:35 | comentar | favorito
11
Jun 11

ENTARDECER

Adormeceste a olhar o mar
Enquanto o sol se acoitava nas varandas.
Suave, na cortina da tarde,
O piano de águas tocava vagarosamente
Música para um destino branco,
Longínquo, azul e cada vez mais branco.

João Manuel Bretes
publicado por RAA às 00:00 | comentar | favorito