31
Jan 12

ARMA SECRETA

Tenho uma arma secreta

ao serviço das nações.

Não tem carga nem espoleta

mas dispara em linha recta

mais longe que os foguetões.

 

Não é Júpiter, nem Thor,

nem Snark ou outros que tais.

É coisa muito melhor

que todo o vasto teor

dos Cabos Canaverais.

 

A potência destinada

às rotações da turbine

não vem da nafta queimada,

nem é de água oxigenada

nem de ergóis da furalina.

 

Erecta, na torre erguida,

em alerta permanente,

espera o sinal da partida.

Podia chamar-se VIDA.

Chama-se AMOR, simplesmente.

 

António Gedeão

publicado por RAA às 15:48 | comentar | favorito
31
Jan 12

CINZEIRO

À noute quando escrevo

Tenho fantasias

Que não chego a escrever

Nem conto a ninguém.

 

Esta, por exemplo,

De ver um paquete

No meu cinzeiro

De feitio oblongo!

 

Ponho nele, de pé,

As pontas dos cigarros.

São mastros

E chaminés fumegantes...

 

Os fósforos

São carregamento

E a cinza

São as cinzas das fornalhas...

 

Deito nele

Pedacinhos de papel que eu rasgo,

-- Restos de algum poema...

São cartas para longe.

 

Voam à roda do meu cinzeiro

Pequeninos insectos tropicais,

Companheiros nocturnos

Dos poetas da minha terra.

 

São os pássaros marinhos,

As gaivotas,

Que vêm espreitar

De perto o paquete.

 

Empurro-o com a mão

E o paquete lá vai,

Com o rumo traçado

Através do Atlântico.

 

Lá vai!

Os passageiros da primeira

Passeiam no «deck»

Ou jogam o «bridge».

 

E a rapariga loura

Estira-se indolente

Na cadeira de lona

A ler um romance...

 

No convés da terceira classe,

Um emigrante qualquer

Debruçou-se na borda

Olhando o horizonte...

Sou eu.

 

Jorge Barbosa

publicado por RAA às 15:19 | comentar | favorito