DESISTIR DAS PALAVRAS COM PALAVRAS

Não é tempo de deixar que as coisas corram?

Abandono o caderno de rascunho,

saio do quarto onde escrevo à máquina.

 

As asas dos abelhões rodopiam

livres do delicado tecido das palavras:

o regato faz cintilar

 

uma folha que cai da cama, sombra confusa

caindo com ela, sem qualquer

ajuda da minha parte: as coisas entregues a si próprias

 

desfazem-se? Está a libertação já

escrita nos movimentos da coerência?

Imitaram as palavras desde o início

 

o trabalho que é melhor feito quando está por fazer?

Há quem pense sem crueldade despertar de novo;

há quem abrande a dura atenção

 

ao ver o orvalho secar, o esquilo erguer-se

(erecto, o cão da pradaria de ventre branco)

o efémero insecto colar-se todo o dia à rede da porta.

 

A. R. Ammons

(versão de Maria de Lourdes Guimarães)

Limiar #4, Porto, 1994

publicado por RAA às 13:16 | comentar | ver comentários (1) | favorito (1)