QUATRO POEMAS DO RETARDADOR (2)

Neva na hora parada
Em que penso que pensar
É uma espécie de luar
Numa paisagem lembrada;

Neva, lenta, retratada,
A minha tristeza disto,
-- Como o luar entrevisto
Duma janela fechada;

E neva, mais sonolenta
Nessa longínqua lembrança,
O luar de ser criança
A vê-la tombar, tão lenta...

Carlos Queirós
publicado por RAA às 22:48 | comentar | favorito