VOYAGEUR AU-DESSUS DE LA MER DE NUAGES

                                                                                                                                                                                                                          ao António S. Oliveira

Na solidão da mesma noite
e do mesmo monte
onde vasos
da luz ainda há pouco se entornavam.

Com a palma da mão
cobrindo os olhos, na retina
o fluxo de antigos silêncios,
a ciência do poente perdida
na terra firme do quarto

onde há-de caber sempre
o rosto de uma figura romântica
cismando sobre um mar de nuvens.

Rui Lage
publicado por RAA às 12:26 | comentar | favorito