...

Não sei de outra medida
de outra minúcia de outro olhar

Não sei de outra voz
reclinada na linguagem do ar
ou na cegueira de um astro

Não sei de outra escassez
ou sabor
sem a cal de um ombro. Não sei.

Fernando Jorge Fabião
publicado por RAA às 12:25 | comentar | favorito