SECOTINE

Tu eras a graça, a vida,
o golpe brusco de afecto,
elegância desmedida,
o súbito e dilecto
gesto de felino airoso.
Eras a velocidade
encarnada, o gostoso
ir à nossa intimidade,
sem pedir, sequer, licença:
como se tudo que há no mundo
fosse teu -- tua presença
      vinha em nós até ao fundo.
              Tu eras a graça, a vida,
              elegância desmedida.

Eugénio Lisboa
publicado por RAA às 19:46 | comentar | favorito