CAMINHO GRANDE

Fidjinha,
não fiques nunca, à noite, no caminho grande!

Que há correntes que arrastam
cavalos que relincham
macacos que são gente
e capòtónas que surgem por detrás dos barrancos...

E não andes por atalhos...

Que António Pama pode te assaltar
e deixar-te no chão, como uma pomba ferida...

António Nunes
publicado por RAA às 15:06 | comentar | favorito