À TARDE

Não sei o que há de indefinível, vago,
          Na morna luz da tarde,
Que nos envolve de um etéreo afago
          E como que nos arde.

De nós então parece que se evola
          Um fumo de ansiedade
Que tímido cantando ascende e rola
          Em busca da Verdade...

Rui de Noronha
publicado por RAA às 14:18 | comentar | favorito