EPÍGRAFE

Eu perdi minha frauta selvagem
entre os caniços do lago de vidro.

Juncos inquietos da margem;
peixes de prata e de cobre brunido
que viveis na vida móvel das águas;

cigarras das árvores altas;
folhas mortas que acordais ao passo alípede das ninfas;
algas,
lindas algas limpas:
-- se encontrardes
a frauta que eu perdi, vinde, todas as tardes,
debruçar-vos sobre ela! E ouvireis os segredos
sonoros, que os meus lábios e os meus dedos
deixaram esquecidos entre
os silêncios ariscos do seu ventre.

Guilherme de Almeida
publicado por RAA às 17:39 | comentar | favorito