A NOITE DAS CIDADES

Repousa nas mãos o sangue pronto
a libertar o cântico exigente,
aqui nada é tão de aço como o ódio
e o homem crucificado
mente.

Repousa o sangue
alongando a cor
ao choro que unicamente
a noite abraçada à lua
consente.

E dentro desta noite igual a tantas outras
existem bocas tristes que não cantam
e alongam, amigas,
a lição das aves suicidas
que à gaiola preferem a morte
revoltada.

Aves diariamente insignificantes
(diárias como tudo o que é simples)
que repousam na mão o sangue pronto
a correr,
vermelho pelas ruas da cidade.

António Augusto Menano
publicado por RAA às 11:59 | comentar | favorito