LES POÊTES SONT DES POÈMIERS

                                                                                                                                                                                                            A João Carlos de Azevedo

Entre os poetas e as árvores, os elos
São tais, há tão estreitas alianças,
Que revelam, nas verosimilhanças,
O sentimentos líricos mais belos.

A cumprirem destinos paralelos,
Em confraternidade, sem mudanças,
Na primavera se enchem de esperanças
E no outono de pomos amarelos.

Ambos, continuamente, fazem versos.
Na aparência mostrando-se diversos,
São seus pontos discordes diminutos.

Em colaboração, inspiradores,
Tendo a mesma pureza nos dão flores,
Tendo a mesma bondade nos dão frutos.

Martins Fontes
publicado por RAA às 12:37 | comentar | favorito