15
Mai 14

O INVERNO

Velho, velho, velho.

Chegou o Inverno.

 

Vem de sobretudo,

vem de cachecol,

o chão onde passa

parece um lençol.

 

Esqueceu as luvas

perto do fogão:

quando as procurou,

roubara-as um cão.

 

Com medo do frio,

encosta-se a nós:

dai-lhe café quente

senão perde a voz.

 

Velho, velho, velho.

Chegou o Inverno.

 

Eugénio de Andrade,

in Poetas de Hoje e de Ontem --

Do Século XIII ao XXI para os Mais Novos

(Maria de Lourdes Varanda e Maria Manuela Santos)

publicado por RAA às 18:25 | comentar | favorito
04
Dez 13

O RAPAZ DO TRAPÉZIO VOADOR

O rapaz do trapézio voador

chegou à cidade numa tarde de grande calor

entrou num café pediu um licor

 

pediu outro e outro ainda

ao todo sete licores

cada um da sua cor

cada qual da cor mais linda

 

ao sétimo licor

sentiu uma dor

teve um sorriso amarelo

que ninguém aplaudiu

deu três voltas e caiu.

 

António José Forte,

in Maria de Lourdes Varanda e Maria Manuela Santos,

Poetas de Hoje e de Ontem

-- do Século XIII ao XXI para os Mais Novos

publicado por RAA às 13:37 | comentar | ver comentários (2) | favorito
25
Jun 13

JOANINHA

A joaninha bonita
que mora a meio do caminho
da rua das violetas
tem um vestido de chita
todo ele encarnadinho
e cheio de bolinhas pretas.

E quando a gente lhe diz:
-- «Joaninha voa, voa,
não me digas que tens medo,
se voas serás feliz
que o teu pai está em Lisboa
foi lá comprar um brinquedo...»

A joaninha responde:
«Se és amigo verdadeiro
não me digas voa, voa,
-- voar sim, mas para onde? --
o meu pai não tem dinheiro
para ter ido a Lisboa...»

E a joaninha bonita
lá se fica no caminho
da rua das violetas
com um vestido de chita
todo ele encarnadinho
e cheio de bolinhas pretas...


Sidónio Muralha, 

Bichos, Bichinhos e Bicharocos

publicado por RAA às 23:48 | comentar | favorito
21
Fev 13

CANTIGA DE EMBALAR

Faz ó-ó meu pequenino

-- Anda lá fora um rumor...

Voz do mar ou voz do vento?!

Faz ó-ó...

-- Seja quem for!

 

Vejo as estrelas brilhando

Através dessa vidraça.

Sinto-me triste, mais só...

E a minha voz vai cantando

-- Ó-ó... Ó-ó

 

António Botto

(in Maria de Lourdes Varanda & Maria Manuel Santos,

Poetas de Hoje e de Ontem -- Do Século XIII ao XXI -- Para os Mais Novos)

publicado por RAA às 19:37 | comentar | favorito
07
Jan 13

ZUMBIDO

A menina andava no jardim

a dançar com o jasmim.

 

O menino andava no pomar

as cerejas a provar.

 

Um zângão surgiu

a menina fugiu.

 

O menino mexeu na colmeia.

Que coisa tão feia!...

 

O enxame irritou.

O zângão

zangado

atacou

e uma abelha picou.

 

A mão do menino inchou

mas ele não chorou.

 

Alice Gomes

publicado por RAA às 13:33 | comentar | favorito
03
Set 12

PINGUIM

Pin...guim!

Pin...guim!

vai devagar

marca o compasso

 

Pin...guim!

Pata aqui

Pata ali

acerta o passo

 

veste sempre de cerimónia

camisa branca

casaca prtea

sem uma prega

no colarinho

 

Pinguim!

Pinguim!

Parece um homenzinho...

 

Alice Gomes

publicado por RAA às 12:40 | comentar | favorito
06
Mai 12

Margarida



autor: Rubén Darío (Félix Rubén García Sarmiento (Metapa, Matagalpa, Nicarágua, 18.I.1867 -- León, Nicarágua, 6.II.1916)

título: Margarida

tradução: Tatiana Pereira

editor: Imaginarium

local: Saragoça

ano: 2003

págs.: [30]

dimensões: 16,2x16,5x1 cm. (cartonado)

ilustrações: Elena Odriozola

publicado por RAA às 17:18 | comentar | favorito
29
Abr 12

Fábulas de Bocage

autor: Manuel Maria Barbosa du Bocage (Setúbal, 15.IX.1765 -- Lisboa, 21.XII.1805)

título: Fábulas de Bocage

edição: Centro de Estudos Bocageanos, a partir da edição de 1805

introdução e actualização de texto: Daniel Pires

local: Setúbal

ano: 2000

dimensões: 24,5x20,50,8 cm (cartonado)

págs.: 40

ilustrações: Julião Machado

retrato do autor: Nogueira da Silva

impressão: Corlito, Setúbal

tiragem: 2000

publicado por RAA às 20:52 | comentar | favorito
03
Mar 12

O Rouxinol e a Sua Namorada

autor: Sidónio Muralha (Lisboa, 1920 -- Curitiba, 1980)
título: O Rouxinol e a Sua Namorada
colecção: «Pássaro Livre» #39
editora: Livros Horizonte
local: Lisboa
ano: 1983
págs.: 29
dimensões: 23x16x0,4 cm. (brochado)
capa: estudios Horizonte
ilustrações: Fernando Lemos
impressão: Altagráfica, Mafra
publicado por RAA às 23:50 | comentar | favorito
05
Fev 12

A UMA CABRINHA VISTA EM BISSAU

Se estivesse aqui Matilde

eu dava-lhe esta cabrinha,

com o seu focinho humilde

e a altivez duma rainha.

 

Cabrinha de jeito bom

a fugir pelo telhado,

caladinha no seu tom

de sobrolho carregado.

 

Cabrinha como tu, filha,

estrela oculta nestes versos,

que perdura e que cintila

sobre céus e ares diversos.

 

Luís Filipe Castro Mendes

publicado por RAA às 18:52 | comentar | favorito