27
Nov 11

INFÂNCIA (IV)

Chamo

a cada ramo

de árvore

uma asa.

 

E as árvores voam.

 

Mas tornam-se mais fundas

as raízes da casa,

mais densa

a terra sobre a infância.

 

É o outo lado

da magia.

 

Carlos de Oliveira

publicado por RAA às 23:51 | comentar | favorito
23
Nov 11

A MAGNÓLIA

A exaltação do mínimo,

e o magnífico relâmpago

do acontecimento mestre

restituem-me à forma

o meu resplendor.

 

Um diminuto berço me recolhe

onde a palavra se elide

na matéria -- na metáfora --

necessária, e leve, a cada um

onde se ecoa e resvala.

 

A magnólia

o som que se desenvolve nela

quando pronunciada,

é um exaltado aroma

perdido na tempestade,

 

um mínimo ente magnífico

desfolhando relâmpagos

sobre mim.

 

Luiza Neto Jorge

publicado por RAA às 11:04 | comentar | favorito
18
Nov 11

O ENAMORADO DAS ROSAS

Toda a manhã, ao sol, cabelo ao vento,

ouvindo a água da fonte que murmura,

rego as minhas roseiras com ternura

que água lhes dando, dou-lhes força e alento.

 

Cada uma tem um suave movimento

quando chamar a minha atenção procura.

E, mal desabrochadas na espessura,

mandam-me um gesto de agradecimento.

 

Se cultivei amores às mancheias,

culpa não cabe às minhas mãos piedosas

que eles passassem para mãos alheias.

 

Hoje, esquecendo ingratidões mesquinhas,

alimento a ilusão de que essas rosas,

ao menos essas rosas, sejam minhas.

 

Olegário Mariano

publicado por RAA às 12:41 | comentar | favorito
13
Out 11

APARTADO

Para

trás

está

emaranhada

a floresta

 

flor besta-fera

                      abrindo-se

ao hálito da serpente

tenebra

 

está a horda

de Calibãs,

 

clareira -- aroma

de ervas

 

(Sempre nascente na fronte de um rio

O diabo aprisionado numa garrafa sobre a relva)

 

Antônio Moura

publicado por RAA às 14:32 | comentar | favorito
14
Jul 11

...

Olha essas flores. São, assim
Regadas pela dádiva da chuva,
Como que estrelas num céu de jardim
Devagar tombando uma a uma.

Furtivamente querendo escutar
Dir-se-ia que um génio de espuma
Procurou saber o seu segredo
E se desfolharam para o castigar.
E eis que a mão da brisa em seu enredo
Sobre o inquieto dorso do arroio
Caprichou em bolhinhas de enfeitar.

Ibn Al-A'lam As-Santamari

(Adalberto Alves)
publicado por RAA às 16:04 | comentar | ver comentários (5) | favorito
10
Mai 11

A ALCACHOFRA

Filha das águas e da terra
Para quem lhe almeja os dons
É corpo numa veste de recusa.
E na sua beleza obstinada
Bem no cimo lá da haste
Lembra uma jovem cristã
Que cota de espinhos usa.

Ibn 'Ammar

(Adalberto Alves)
publicado por RAA às 11:58 | comentar | favorito
31
Mar 11

ODE À FLOR DE AMEIXIEIRA

O vento e a chuva apressam-se a afugentar a partida da Primavera,
Os flocos de neve, esvoaçando, chamam por ela,
Para lhe dar as boas-vindas.
As altas montanhas estão cobertas de um manto de gelo,
Mas a linda ameixieira continua ainda em flor.
Linda sim, apesar de incompatível com a Primavera,
Ela mal pressente a sua volta
E espera que as flores nos montes floresçam todas
Para sorrir no meio delas.

Mao Tsé Tung

(José de Freitas)
publicado por RAA às 14:23 | comentar | favorito
15
Fev 11

ADAGIO

As folhas d'oiro, uma a uma,
Vão os plátanos despindo;
Ouço-as na álea caindo
Numa cadência de espuma...

Mais uma, negra, se abate,
Como bacante já lassa:
Rolando quase me bate
Num agoiro de desgraça.

Erguem-se agora ligeiras,
Lá partem, rentes do chão,
Todas juntas em fileiras,
Numa brusca emigração.

Sobre as áleas alagadas
Parecem almas sem nome
Que leva pra além dum rio
Caronte de mãos geladas...

Dezembro abre com fome
A goela de vazio...

Alexandre d'Aragão
publicado por RAA às 23:45 | comentar | favorito
24
Jan 11

DUELO

Ao desobediente sorriso da figueira
o gato mostrou melancolia às riscas.

Luís Serra
publicado por RAA às 14:25 | comentar | ver comentários (2) | favorito
21
Jan 11

DA TERRA

4

...era a minha sementeira
se eu tivesse a mesma sina
que aproveita a goiabeira

de semente pequenina
começou por ser verdinha
mas depois se avermelhou

depois
a passarada
chilreando à liberdade descuidada
leva no bico a goiaba
que a goiabeira gerou

Manuel Rui
publicado por RAA às 14:18 | comentar | favorito