28
Dez 11

MORDAÇA

Puseram-lhe na boca uma mordaça...

 

Mas o Poeta era Poeta

e tinha que falar.

 

Fez um esforço enorme,

puxou a voz como quem golfa sangue,

e a mordaça soltou-se-lhe da boca.

 

Porém, não era já mordaça:

 

-- Agora,

era um poema a queimar

os ouvidos das turbas inimigas

que, na praça, o tinham querido calar.

 

Sebastião da Gama

publicado por RAA às 15:54 | comentar | favorito
17
Abr 11

Pelo Sonho É que Vamos

autor: Sebastião da Gama (Vila Nogueira de Azeitão, 10.IV.1924 - Lisboa, 7.II.1952)
título: Pelo Sonho É que Vamos
prefácio: Ruy Belo
edição: 3.ª
colecção: «Poesia»
editora: Edições Ática
local: Lisboa
ano: 1979
págs.: 77
formato: 20x14x0,6 cm. (brochado)
impressão: Tipografia Macário, Lisboa
capa: desenho de Almada Negreiros
obs.: extratextos com retrato do Autor e fac-símiles de alguns poemas
publicado por RAA às 20:40 | comentar | favorito
08
Fev 11

...

A corda tensa que eu sou,
o Senhor Deus é quem
a faz vibrar...

Ai linda longa melodia imensa!...
-- Por mim os dedos passa Deus     e então
já sou menos Som     e não
se sabe mais da corda tensa...

Sebastião da Gama
publicado por RAA às 23:58 | comentar | favorito
05
Fev 11

VIESSES TU POESIA...

Viesses tu, Poesia,
e o mais estava certo.
Viesses no deserto,
viesses na tristeza,
viesses com a Morte...

Que alegria mereço, ou que pomar,
se os não justificar,
Poesia,
a tua vara mágica?

Bem sei: antes de ti foi a Mulher,
foi a Flor, foi o Fruto, foi a Água...
Mas tu é que disseste e os apontaste:
-- Eis a Mulher, a Água, a Flor, o Fruto.
E logo foram graça, aparição, presença,
sinal...

(Sem ti, sem ti que fora
das rosas?)
Mortas, mortas pra sempre na primeira,
morta à primeira hora.)

          Ó Poesia!, viesses
          na hora desolada
          e regressara tudo
          à graça do princípio...

Sebastião da Gama

publicado por RAA às 16:41 | comentar | ver comentários (4) | favorito
15
Nov 10

SINAL

Quanto amor me tens,
com amor to pago.
-- Trago-te no dedo,
num anel que trago.

Num anel redondo,
todo de oiro fino,
que é o teu sinal,
que é o meu destino.

Este anel me basta
pra bater-te à porta.
Truz! truz! truz! na rua
como o frio corta!

Como a chuva cai,
como o vento mia!
Mas abriste logo,
que eu é que batia.

(Que outro anel tivera
som que te chamasse?)
Já teu vinho bebo,
pra que o frio me passe;

Já na tua cama
me aconchego e deito;
já te chamo Esposa,
peito contra peito.

Como tudo é simples,
como é tudo imenso!
Ó mistério enorme,
de um anel suspenso!

E eis, na tua mão,
num anel igual,
brilha o teu destino,
luz o meu sinal.

Sebastião da Gama
publicado por RAA às 12:28 | comentar | favorito
30
Set 10

DIÁRIO DE BORDO

Cá estou eu a julgar que vou remando...

Cá vai Deus a remar
e eu a ser um remo com que Deus
rasga caminhos pelo Mar...

Sebastião da Gama
publicado por RAA às 12:39 | comentar | favorito
21
Set 10

JANELAS DE ESTREMOZ

Janela fechada,
cortina corrida...
Nem flor a perfuma,
nem moça a enfeita.
--: Ninguém se lhe assoma.
Janela tão triste,
nem ao Sol aberta...

Em toda a cidade
se repete a história
mil vezes; mil vezes,
se olhares a janela
ou desta ou daquela
casinha caiada,
a vês divorciada
do Sol e de tudo
que graça lhe dera.

Há vinte janelas
na casa da esquina?
-- Na rua de cá
dez estão fechadas;
outras dez, fechadas
na rua de lá.
Ah! tão retraídas!
Ah! tão agressivas!

Que pessoas vivas
foi que as condenaram?

Ó janelas mudas,
pobres prisioneiras!,
que pessoas vivas,
por que expiação,
vivem na prisão
em que vos meteram?

-- sem sol que as aquente...
sem flor que as alegre...

Janela cerrada,
cortina descida...
Mocinha escondida
por trás da janela
-- quanto mais não vale
a rosa encarnada
que a rosa amarela!...

Sebastião da Gama
publicado por RAA às 23:33 | comentar | favorito
22
Jul 10

CREPUSCULAR

A Morta cheira a rosas. As suas mãos ficaram,
brancas, sobre a cidade -- pombas brancas dormindo...
A voz do Rei Dinis é um sussurro ao fundo.
Choro? Reza? Descante? Louvor das que o amaram?

Recorta-se no escuro, geométrica, a cidade.
Cor das mãos da Rainha. Serena como elas.
Aparecem as luzes primeiro que as estrelas.
Um vento manso traz o aroma das herdades.

E eis que a cidade toda é um presépio.
Ouve-se a tropeada dos camelos,
o riso dos pastores...

Quem está nascendo? Que deus?, que príncipe?, que poeta?
Mãos da Rainha Santa, dai-lhe abrigo:
Não vá ser um ladrão. Não vá ser um mendigo.

Sebastião da Gama
publicado por RAA às 01:34 | comentar | favorito
02
Jan 10

PEQUENO POEMA

Quando eu nasci,
ficou tudo com estava.

Nem homens cortaram veias,
nem o Sol escureceu,
nem houve Estrelas a mais...
Somente,
esquecida das dores,
a minha Mãe sorriu e agradeceu.

Quando eu nasci,
não houve nada de novo
senão eu.

As nuvens não se espantaram,
não enlouqueceu ninguém...

Pra que o dia fosse enorme,
bastava
toda a ternura que olhava
nos olhos de minha Mãe...

Sebastião da Gama
publicado por RAA às 02:23 | comentar | favorito