GUARDA REPUBLICANA A CAVALO

Tu ladeavas o cavalo, rindo

da tua tão perfeita novidade.

Qual amazona de um destino findo,

o tempo não mudava a tua idade.

 

A pistola exibias sob a coxa

e do meu desejo tua troça ria.

Enredado na lírica mais frouxa,

um soneto pobríssimo eu trazia

 

só para teu controle e vistoria.

Mas logo se soltou o teu cavalo

para bem longe de mim e da poesia.

 

E se guardo teu riso enquanto falo

e me digo e desdigo em cada dia,

guarda republicana, em teu cavalo

 

trouxeste troça feita melodia.

 

Luís Filipe Castro Mendes, Um Novo Ulisses Regressa a Casa (2016)

publicado por RAA às 19:32 | comentar | favorito