NEFERTITI

Aqui estou presa em terracota.

Mas, tanto como dantes, deste lado

meus olhos adivinham o horizonte antigo

que então me iluminava.

 

É pequena esta casa para mim,

atravesso-lhe os muros e vejo em cada dia

renascer a verdade sobre o mundo.

 

Descem ao longe os barcos pelo rio

(esse que aqui não há)

mas há uma viagem, e ela é que me prende

a um barro sem fim.

 

Pedro Tamen, Analogia e Dedos (2006)

publicado por RAA às 13:41 | comentar | favorito