19
Mar 12

"Eu torno-me cada vez mais dócil"

Eu torno-me cada vez mais dócil,

e tu sempre misterioso e novo,

mas teu amor, meu severo amigo,

é uma prova de ferro e fogo.

 

Proíbes-me de cantar, sorrir,

e há muito tempo de rezar,

desde que não me aparte de ti,

todo o resto me é igual!

 

Assim, alheia à terra e ao céu,

já não canto, apenas vivo.

Minha alma livre arrancaste

do inferno e do paraíso.

 

Anna Akhmátova

 

(Nina Guerra e Filipe Guerra)

publicado por RAA às 00:18 | comentar | favorito
04
Set 11

Só Sangue Cheira a Sangue

autor: Anna Akhmátova (Odessa, 24.VI.1889 -- Leninegrado, 5.III.1966)
título: Só o Sangue Cheira a Sangue
tradução, selecção, introdução e notas: Nina Guerra e Filipe Guerra
colecção: «Documenta Poética» #41
editora: Assírio & Alvim
págs.: 107
dimensões: 20,3x14,5x0,9 cm.; brochado.
impressão: Guide -- Artes Gráficas
obs.: edição bilingue; no interior, fotos de A. A. e retrato, por Kuzma Petrov-Vodkin. 
publicado por RAA às 15:02 | comentar | favorito
28
Jul 10

...

Há na intimidade um limiar sagrado,
encantamento e paixão não o podem transpor --
mesmo que no silêncio assustador se fundam
os lábios e o coração se rasgue de amor.

Onde a amizade nada pode nem os anos
da felicidade mais sublime e ardente,
onde a alma é livre, e se torna estranha
a vagarosa volúpia e seu langor lento.

Quem corre para o limiar é louco, e quem
o alcançar é ferido de aflição...
Agora compreendes por que já não bate
sob a tua mão em concha o meu coração.

Anna Akhmátova
(tradução de Nina Guerra e Filipe Guerra)
publicado por RAA às 16:55 | comentar | favorito