13
Jul 11

MULATA

Graça feita de candura e de malícia,
Sabedoria da carne,
Animal vitorioso e generoso,
Vértice de experiências convergentes.
Equador de duas civilizações,
Tu, bela, tu, fecunda, tu, menina,
Primeira e magnífica descoberta,
Filha da História
(Filha do pecado?)
És zombeteira e triste.
Ponto,
Pêndulo,
Suspensão,
Carne retalhada
Por centrífugas forças que te chamam,
Cedo ou tarde nascida?
Cedo ainda?
Resíduo apenas?
Simbólica dança escultural da paz,
Ou virgem imolada no altar do fogo?
Caminhas e meus olhos perdem-se
Mais que nas linhas frementes do teu corpo,
Na luz oblíqua dos teus olhos pávidos.
Esplêndida encarnação do amor sem margens,
Tu, bela, tu, menina,
Mulata,
Interrogação da época.

1961

Antero Abreu 
publicado por RAA às 12:49 | comentar | favorito
22
Jun 11

J. B. DIAS, NO LEITO DO HOSPITAL

Tudo aqui é branco
A cama e os lençóis
E o mosaico que brilha...
Tudo aqui é branco
As batas e os enfermeiros
O tecto que não olho
E a arrastadeira...
Escuro aqui só eu
Bola preta que rola
No travesseiro lavado.
Parece-me estar a ouvir os enfermeiros:
O doente do número treze,
O doente do vinte e quatro...
E o doente preto.
Tudo aqui é branco.
Tudo, menos eu.
De manhã a enfermeira
Tira-me a temperatura.
É velha ou nova, bonita ou feia?
É branca.
«Senhora enfermeira, dê-me a sua mão»
Ai o negro de Michael Gold.
Eu não peço a mão à enfermeira.
Aqui tudo é branco
Tudo aqui é branco
Menos esta bola preta
Em que os olhos se escondem.
«Formas alvas, formas brancas...»
Serão assim os versos?
Ah, que importa isso agora?
Julgo que vou morrer
Morrer assim sozinho
Sozinho no meio de tantas coisas brancas
Que giram, que giram à minha volta.
«Formas alvas, formas brancas»
«A sua mão, enfermeira»
Batas brancas, parede, tecto, tudo
Branco, branco, branco...
A morte será branca?

                                                                                                     Coimbra, 1950 (1951?)

Antero Abreu
publicado por RAA às 11:39 | comentar | favorito
04
Out 10

UMA CANÇÃO DA PRIMAVERA

Nesta flor sem fruto que aspiramos
Eu vejo coisas que ninguém descobre:
Descubro o grão, o caule, os ramos,
E até o sulfato de cobre.

E ainda vejo o que ninguém mais vê:
Vejo a flor a desenhar-se em fruto.
E quer ela o dê, quer não dê,
É esse o fim por que luto.

Coimbra, 24.XI.949

Antero Abreu
publicado por RAA às 10:40 | comentar | favorito