20
Fev 16

A UM CRUCIFIXO

Não se perdeu teu sangue generoso,

Nem padeceste em vão, quem quer que foste.

Plebeu antigo, que amarrado ao poste

Morreste como vil e faccioso.

 

Desse sangue maldito e ignominioso

Surgiu armada uma invencível hoste...

Paz aos homens e guerra aos deuses! -- pôs-te

Em vão sobre um altar o vulgo ocioso...

 

Do pobre que protesta foste a imagem:

Um povo em ti começa, um homem novo:

De ti data essa trágica linhagem.

 

Por isso nós, a Plebe, ao pensar nisto,

Lembraremos, herdeiros desse povo,

Que entre nossos avós se conta Cristo.

 

Antero de Quental,

in Urbano Tavares Rodrigues, Os Poemas da Minha Vida (2.ª ed., 2005)

publicado por RAA às 19:53 | comentar | favorito
17
Nov 10

A...

Nome, que não se diz; nome, que não se escreve:
Quem vai meter num som o mundo, a imensidão?...
O Amor que nome tem? real, jamais o teve...
Escrever!... pois é pouco um livro -- o coração?!...

Antero de Quental
publicado por RAA às 23:59 | comentar | favorito
19
Out 10

SOLEMNIA VERBA

Disse ao meu coração: Olha por quantos
Caminhos vãos andámos! Considera
Agora, desta altura fria e austera,
Os ermos que regaram os nossos prantos...

Pó e cinzas, onde houve flor e encantos!
E noite, onde foi luz de Primavera!
Olha a teus pés o mundo e desespera,
Semeador de sombras e quebrantos!

Porém o coração, feito valente
Na escola da tortura repetida,
E no uso do penar tornado crente,

Respondeu: Desta altura vejo o Amor!
Viver não foi em vão, se é isto a vida,
Nem foi de mais o desengano e a dor.

Antero de Quental
publicado por RAA às 15:41 | comentar | favorito
29
Jan 09

NOCTURNO

Espírito que passas, quando o vento
Adormece no mar e surge a lua,
Filho esquivo da noite que flutua,
Tu só entendes bem o meu tormento...

Como um canto longínquo -- triste e lento --
Que voga e subtilmente se insinua,
Sobre o meu coração, que tumultua,
Tu vertes pouco a pouco o esquecimento...

A ti confio o sonho em que me leva
Um institnto de luz, rompendo a treva,
Buscando, entre visões, o eterno Bem.

E tu entendes o meu mal sem nome,
A febre de ideal que me consome,
Tu só, Génio da Noite, e mais ninguém!

Antero de Quental
publicado por RAA às 22:04 | comentar | favorito
28
Nov 08

A VIRGEM SANTÍSSIMA

Cheia de Graça, Mãe de Misericórdia


Num sonho todo feito de incerteza,
De nocturna e indizível ansiedade
É que eu vi teu olhar de piedade
E (mais que piedade) de tristeza...

Não era o vulgar brilho da beleza,
Nem o ardor banal da mocidade...
Era outra luz, era outra suavidade,
Que até nem sei se as há na natureza...

Um místico sofrer... uma ventura
Feita só do perdão, só da ternura
E da paz da nossa hora derradeira...

Ó visão, visão triste e piedosa!
Fita-me assim calada, assim chorosa...
E deixa-me sonhar a vida inteira!

Antero de Quental
publicado por RAA às 19:30 | comentar | favorito