FINAL

Não queiras ser mais vivo do que és morto.
As sempre-vivas morrem diàriamente
Pisadas por teus pés enquanto nasces.
Não queiras ser mais morto do que és vivo.
As mortas-vivas rompem as mortalhas
(Seus cabelos azuis, como arrastam o vento!)
Para amassar o pão da própria carne.
Ó vivo-morto que escarneces as paredes
Queres ouvir e falas.
Queres morrer e dormes.
Há muito que as espadas
Te atravessando lentamente lado a lado
Em ti caminham sua dor. Sorris.
Queres morrer e morres.

Augusto de Campos
publicado por RAA às 14:27 | comentar | favorito