...

Poemas escritos por abismos sem fim, na
Minha alma, através da luz das minhas
Lágrimas, buscando a infância velha
Por naves desmedidas e finais, sangrando
Para sempre a sombra.

Fernando Botto Semedo
publicado por RAA às 23:55 | comentar | favorito