...

Estende o manto, estende, ó noite escura,

enluta de horror feio o alegre prado;
molda-o bem c'o pesar dum desgraçado,
a quem nem feições lembram da ventura.
Nubla as estrelas, céu, que esta amargura
em que se agora ceva o meu cuidado,
gostará de ver tudo assim trajado
da negra cor da minha desventura.
Ronquem roucos trovões, rasguem-se os ares,
rebente o mar em vão n'ocos rochedos,
solte-se o céu em grossas lanças de água.
Consolar-me só podem já pesares;
quero nutrir-me de arriscados medos,
quero saciar de mágoa a minha mágoa!
Filinto Elísio
publicado por RAA às 23:27 | comentar | favorito