25
Jul 13

UM DESENHO DE JÚLIO

     São Pequenos para nós os jardins desta pequena cidade, com suas ruas estreitas, sua igrejinha envergonhada, e a janela em que me debruço todas as tardes à tua espera. Por isso, às vezes, o amor é tão difícil para nós.

     Mas quando passas devagar à minha porta, a brisa e o sol ganham poderes. E com a flor que dos dedos te nasce pela tarde, sobes então por dentro de mim -- e no ar ficas suspensa à minha espera.

 

     E ninguém sabe, ninguém vê -- é a nossa hora.

 

10/8/2000

 

João Pedro Mésseder,

Série Poeta -- Homenagem a Júlio / Saul Dias

publicado por RAA às 19:26 | comentar | favorito
26
Jul 11

ABRIL

Assalto
ao Palácio do Inverno
para de vez
implantar
a Primavera.

João Pedro Mésseder
publicado por RAA às 23:58 | comentar | favorito
19
Jul 11

ORDEM

     Anda, disse aquele a quem chamavam tio, ajudar-me no vidrão. E tu, acrescentou, vai pôr a mesa. Foram. Deixando o Scarlatti para trás.

     Adormece a luz, pesada, sobre as minhas crianças obedientes. Veraneiam, ele e elas, numa cidade onde há muito se deformam os burgueses.

     Nada de mais, apenas um tédio conveniente -- segreda uma voz de cinza.

     Nem o Scarlatti se revolta?

Gent, 1997

João Pedro Mésseder
publicado por RAA às 23:59 | comentar | favorito
17
Out 10

BURGGARTEN (Rothenburg ob der Tauber)

Mozart na flauta que mendiga
As cores estouvadas de um cachorro
ofegando na relva recortada
Do Japão chegam os olhos e as lentes fotográficas
Calam-se os sinos -- de St. Jakob? --
enquanto a americana intranquila
folheia um guia turístico
e tece o seu fumo de cigarro
Todos fingem ignorar a melodia
Nem um marco tilinta no chapéu

João Pedro Mésseder
publicado por RAA às 15:56 | comentar | favorito
20
Jul 10

ELLA

Esta voz
-- confia --
faz da noite
o tesouro do dia

João Pedro Mésseder
publicado por RAA às 13:57 | comentar | favorito
09
Jul 10

RONDÓ DO CONCERTO PARA PIANO E ORQUESTRA N.º 5 EM MI BEMOL MAIOR DE BEETHOVEN

Quando a música o abandona
à beira de um lugar fundo
um jardim vazio com sombras
sem corpo nem idade
uma pergunta insinua-se
Existe um amor sem nome?

João Pedro Mésseder
publicado por RAA às 17:08 | comentar | favorito