...

Ao meu cão bastaria um tapete
macio para se deitar
e um lugar onde possa dormir
perto do chão e durante a ferida.

Apenas procura aquele afecto
que torna possível continuar
sem evitar o respirar e a terra.

Encontra o esquecimento
sempre no fim de tudo
quando já não existe o esperado
perdido no labirinto das ruas.

Deixarei de o ouvir pela casa,
cairão os muros e os impérios
e o meu cão terá sempre um tapete.

Joel Henriques
publicado por RAA às 12:08 | comentar | favorito