22
Set 16

TARDE

Vago sabor de outono

E de coisas extintas.

Nem desejos nem dor...

Meu coração esquece.

 

No ar parado voga

Talvez uma saudade

De tudo que perdi,

De tudo que não fui.

 

Ninguém chama por mim

Nem chamo por ninguém.

Instante calmo e triste...

Como a vida está longe!

 

No dia húmido cai

Um silêncio dormente.

Uma música ausente

Meu coração embala.

 

Luís Amaro

As Folhas de Poesia Távola Redonda

(edição: António Manuel Couto Viana)

 

publicado por RAA às 19:37 | comentar | favorito (1)
17
Set 14

A JÚLIO -- SAUL DIAS

Antes que o vento

venha e, hostil, desfaça

o que em mim há de puro ainda

-- gostava de cantar.

 

Antes que a noite

desça e, subtil, perturbe

mais o meu ser com seu mistério denso

-- gostava de cantar.

 

Antes que a vida

me arraste, pise e esmague

na torva confusão de ódios e lutas

-- gostava de cantar.

 

Antes que o mundo

me estreite mais no seu abraço imundo

(tão raras vezes belo)

-- gostava de cantar.

 

Luís Amaro,

Diário Íntimo /

Série Poeta -- Homenagem a Júlio / Saul Dias (2001)

publicado por RAA às 13:28 | comentar | favorito