26
Set 12

SONETO DA PEDRA NA FLORESTA

Somos a pedra que na terra antiga

fora afeiçoada pelas mãos pacientes,

e abandonada à chuva dos milênios

as árvores lhe entraram pelo rosto.

 

A dor nos invadiu e dilacera

e a umidade da selva nos devasta.

Tudo o que outrora foi forma e quebranto

desfaz-se hoje no abraço das raízes.

 

Resta a esperança de salvar a vida,

acolhendo um destino vegetal,

que envolva a rocha mas preserve os olhos.

 

E pela humilde aceitação da sorte,

mutilados embora, mas presentes,

guardemos as almas na floresta.

 

Odylo Costa, Filho

publicado por RAA às 13:35 | comentar | favorito
08
Set 10

OS COELHINHOS

Iam dois coelhinhos
andando apressados
para o céu -- com medo
de serem caçados.

E também com medo
de passarem fome.
Pois -- quando não dorme --
o coelhinho come.

E ainda tinha os filhos
que a coelha esperava...
O Céu era longe
e a fome era brava.

Jesus riu, com pena:
fez brotar da Lua
-- para eles -- florestas
de cenoura crua.

Odylo Costa, Filho
publicado por RAA às 10:34 | comentar | favorito
22
Ago 10

A BORBOLETA

De manhã bem cedo
uma borboleta
saiu do casulo.
Era parda e preta.

Foi beber ao açude.
Viu-se dentro da água.
E se achou tão feia
que morreu de mágoa.

Ela não sabia
-- boba! -- que Deus deu
para cada bicho
a cor que escolheu.

Um anjo a levou,
Deus ralhou com ela,
mas deu roupa nova
azul e amarela.

Odylo Costa, Filho
publicado por RAA às 03:16 | comentar | favorito