...

Quand'ora for a mha senhor veer,
que me non quer leixar d'amor viver,
ai, Deus Senhor, se lh'ousarei dizer:
     -- «Senhor fremosa, non poss' eu guarir!»
     Eu, se ousar, direi, quando a vir:
     -- «Senhor fremosa, non poss' eu guarir!»

Por quantas vezes m'ela fez chorar
con seus desejos, cuitan[do] d'andar,
quando a vir, direi-lhi, se ousar:
     -- «Senhor fremosa, non poss' eu guarir!»
     Eu, se ousar, direi, quando a vir:
     -- «Senhor fremosa, non poss' eu guarir!»

Por quanta coita por ela levei
e quant'afam sofri e endurei,
quando a vir, se ousar, lhi direi:
     -- «Senhor fremosa, non poss' eu guarir!»
     Eu, se ousar, direi, quando a vir:
     -- «Senhor fremosa, non poss' eu guarir!»

Pero Velho de Taveirós
publicado por RAA às 14:04 | comentar | favorito