UMA FLAUTA TOCA

Múrmura brisa

me traz o som

da flauta clara

lá na montanha

enluarada.

Onde haverá

flauta tocada

no coração

que me retorne

ao lar?

De brisa o som

enche-me as salas

tal como o luar

cobre as montanhas

e os vales.

 

Noite como esta

as hordas bárbaras

no Norte entraram.

E a melodia

me acompanhava

na longa via

em que fugia

até o Sul.

Quando o salgueiro

os ramos pende

na noite fria

nus.

No triste inverno

como esperar

pelo milagre

de lhe nascerem

folhas?

 

Tu Fu

Jorge de Sena,

Poesia de 26 Séculos

publicado por RAA às 19:38 | comentar | ver comentários (2) | favorito