04
Out 12

A FLOR E A FONTE

"Deixa-me, fonte!" dizia

a flor, tonta de terror.

E a fonte, sonora e fria,

cantava, levando a flor.

 

"Deixa-me, deixa-me, fonte!"

Dizia a flor a chorar:

"Eu fui nascida no monte...

Não me leves para o mar."

 

E a fonte, rápida e fria,

com um sussurro zombador,

por sobre a areia corria,

corria levando a flor.

 

"Ai, balanços do meu galho,

balanços do berço meu;

ai, claras gotas de orvalho

caídas do azul do céu!..."

 

Chorava a flor, e gemia,

branca, branca de terror,

e a fonte, sonora e fria,

rolava, levando a flor.

 

"Adeus, sombra das ramadas,

cantigas do rouxinol;

ai, festa das madrugadas,

doçuras do pôr do sol;

 

carícia das brisas leves

que abrem rasgões de luar...

Fonte, fonte, não me leves,

Não me leves para o mar!..."

 

As correntezas da vida

e os restos do meu amor

resvalam numa descida

como a da fonte e da flor...

 

Vicente de Carvalho

publicado por RAA às 12:22 | comentar | ver comentários (2) | favorito
09
Jul 12

ESPERANÇA

Só a leve esperança em toda a vida

disfarça a pena de viver, mais nada;

nem é mais a existência, resumida,

que uma grande esperança malograda.

 

O eterno sonho da alma desterrada,

sonho que a traz ansiosa e embevecida,

é uma hora feliz, sempre adiada

e que não chega nunca em toda a vida.

 

Essa felicidade que supomos,

árvore milagrosa, que sonhamos

toda arreada de dourados pomos,

 

existe, sim; mas nós não na alcançamos

porque está sempre apenas onde a pomos

e nunca a pomos onde nós estamos.

 

Vicente de Carvalho

publicado por RAA às 17:19 | comentar | ver comentários (2) | favorito
24
Mai 11

FOLHA SOLTA

Não me culpeis a mim de amar-vos tanto,
mas a vós mesma e à vossa formosura,
pois se vos aborrece, me tortura
ver-me cativo assim do vosso encanto.

Enfadais-vos; parece-vos que, enquanto
meu amor se lastima, vos censura;
mas sendo vós comigo áspera e dura,
que eu por mim brade aos céus não causa espanto.

Se me quereis diverso do que agora
eu sou, mudai; mudai vós mesma, pois
ido o rigor que em vosso peito mora,

a mudança será para nós dois:
e então, podereis ver, minha senhora,
que eu sou quem sou por serdes vós quem sois.

Vicente de Carvalho
publicado por RAA às 17:06 | comentar | favorito