28
Dez 11

BARCOS

À querida ilha de São Vicente

de Cabo Verde.

 

       «Nha terra ê quel piquinino

       ê São Vicente ê quê di meu.»

 

Nas praias

Da minha infância

Morrem barcos

Desmantelados.

 

Fantasmas

De pescadores

Contrabandistas

Desaparecidos

Em qualquer vaga

Nem eu sei onde.

 

E eu sou a mesma

Tenho dez anos

Brinco na areia

Empunho os remos...

Canto e sorrio

À embarcação:

Para o mar!

É para o mar!...

 

E o pobre barco

O barco triste

Cansado e frio

Não se moveu...

 

Cambambe, 3 de maio de 1962

 

Yolanda Morazzo

publicado por RAA às 12:36 | comentar | favorito
30
Set 10

A UMA QUALQUER

Não foi por amor ao dinheiro
nem foi por jóias
nem sequer por um vestido de seda.

Nem foi também por teres casa
móveis decentes, melhor vida.
Não, não foi por nada disto.

Tu, só tu sabes por que sorriste
e o teu coração bateu um pouco mais forte
quando o barco americano entrou no porto...

Yolanda Morazzo
publicado por RAA às 10:53 | comentar | favorito